Ao longo dos tempos, entre os Kiowa, Cherokee, Iroquois, Sêneca e em várias outras tribos nativas norte-americanas, as anciãs contavam e ensinava, nos “Conselhos de Mulheres” e nas “Tendas Lunares”, as tradições herdadas de suas antepassadas. Dentre várias dessas lendas e histórias, sobressai a lenda das “Treze Mães das Tribos Originais”, representando os princípios da energia feminina manifestados nos aspectos da Mãe Terra e da Vovó Lua.
Neste momento de profundas transformações humanas e planetárias, é importante que todas as mulheres conheçam este antigo legado para poderem se curar antes de tentarem curar e nutrir os outros. Dessa forma, as feridas da alma feminina não mais se manifestarão em atitudes hostis, separatistas, manipuladoras ou competitivas. Alcançando uma postura de equilíbrio, as mulheres poderão expressar as verdades milenares que representam, em vez de imitarem os modelos masculinos de agressão, competição, conquista ou domínio, mostrando, assim, ao mundo um exemplo de força equilibrada, se empenhando na construção de uma futura sociedade de parceria.
Como regentes das treze lunações, as Treze Matriarcas protegem a Mãe Terra e todos os seres vivos, seus atributos individuais sendo as dádivas trazidas por elas à Terra. O símbolo da Mãe Terra é a Tartaruga e seu casco, formado de treze segmentos, simboliza o calendário lunar.
Conta a lenda que, no início da no nosso planeta, havia abundância de alimentos e igualdade entre os sexos e as raças. Mas, aos poucos, a ganância pelo ouro levou à competição e à agressão, a violência resultante desviou a Terra de sua órbita, levando-a a cataclismos e mudanças climáticas. Em conseqüência, para que houvesse a purificação necessária do planeta, esse primeiro mundo foi destruído pelo fogo.
Assim, com o intuito de ajudar em um novo início e restabelecer o equilíbrio perdido, a Mãe Cósmica, manisfestada na Mãe Terra e na Vovó Lua, deu à humanidade um legado de amor, perdão e compaixão, resguardado no coração das mulheres. Para isso, treze partes do Todo representando as treze lunações de um ciclo solar e atributos de força, beleza, poder e mistério do Sagrado Feminino. Cada uma por si só e todas em conjunto, começaram a agir para devolver às mulheres a força do amor e o bálsamo do perdão e da compaixão que iriam redimir a humanidade. Essa promessa de perfeição e ascensão iria se manifestar em um novo mundo de paz e iluminação, quando os filhos da Terra teriam aprendido todas as lições e alcançado a sabedoria.
Cada Matriarca detinha no seu coração o conhecimento e a visão e no seu ventre a capacidade de gerar os sonhos. Na Terra, elas formaram um conselho chamado “A Casa da Tartaruga” e, quando voltaram para o interior da Terra, deixaram em seu lugar treze crânios de cristal, contendo toda a sabedoria por elas alcançada. Por meio dos laços de sangue dos ciclos lunares, as Matriarcas criaram uma Irmandade que une todas as mulheres e visa a cura da Terra, começando com a cura das pessoas. Cada uma das Matriarcas detém uma parte da verdade representada, simbolicamente, em uma das treze ancestrais, as mulheres atuais podem recuperar sua força interior, desenvolver seus dons, realizar seus sonhos, compartilhar sua sabedoria e trabalhar em conjunto para curar e beneficiar a humanidade e a Mãe Terra.
Somente curando a si mesmas é que as mulheres poderão curar os outros e educar melhor as futuras gerações, corrigindo, assim, os padrões familiares corrompidos. Apenas honrando seus corpos, suas mentes e suas necessidades emocionais, as mulheres terão condições de realizar seus sonhos.
Falando suas verdades e agindo com amor, as mulheres atuais poderão contribuir para recriar a paz e o respeito entre todos os seres, restabelecendo, assim, a harmonia e a igualdade originais, bem como o equilíbrio na Terra.

Extraído do livro Anuário da Grande Mãe – Mirella Faur

Jornada das Matriarcas (https://www.facebook.com/events/414921638702457/)

matriarcas kan2

Tamaris Fontanella

Paulistana. “Mãe” de dois gatos (Axel e Meara). Conheceu logo no início da adolescência os preceitos do Feminino Sagrado Inovadora e Empreendedora por Natureza como uma boa Sagitariana. Criativa. Quem a conhece só um pouquinho já percebe que vive a força da Mulher Selvagem em todos os momentos de sua vida. No Espaço Ânima supervisiona e coordena as atividades dos pólos (presenciais e EAD) e atua como mestre formadora de novos terapeutas em diversos cursos. Coaching e Mentoring em Terapias Holísticas e Complementares, Psicopedagoga, Escritora com mais de15 livros publicados, Palestrante e Fotógrafa. É reconhecida como a primeira Coaching Empresarial no Brasil na área de Terapias Complementares e Holísticas no Brasil. Terapeuta filiada ao SINTE (CRT41426) e ao CRTCH (CRTCHBR 200902). Facilitadora da Unify (Sisters Circle), Movimento Mundial Global Sisterhood (http://women.unify.org/) Possui formações acadêmicas em Biologia, Administração de Redes, Pedagogia e Terapia Holística, com Especialização Terapia Energética Corporal (Instituto Pulsar), Psicoterapia Corporal e Bionergética (Centro Reichiano/ MFCR0016), Psicopedagogia (Braz Cubas), Master Coaching (Sociedade Brasileira de Coaching), Terapia Transpessoal (Instituto Plenitude), Psicologia da Aprendizagem, Didática do Ensino Superior e Constelações Familiares (Hellinger/PA). Fotografia (IFPR e Senac). Idealizadora da Theaterapia® (Terapia da Mulher), do Pompoarismo Sagrado Feminino, da rede de sororidade Despertar Feminino, da Theadança e do projeto Teia de Luz. Idealizadora dos sistemas de cura energética Goddesses Reiki®, Thea Spirit Doll® e Essências Vibracionais do Despertar Feminino®. Pioneira como Fotógrafa no Brasil a atuar no contexto do Sagrado Feminino e resgate da essência feminina com o uso terapêutico da fotografia (Theafotografia®). Atua como focalizadora de celebrações, ritos de passagem, jornadas e grupos terapêuticos com foco no despertar do feminino sagrado e na cura das necessidades físicas e psico-espirituais da mulher contemporânea. Sacerdotisa da Religião da Deusa, da Irmandade da Rosa, do Clã da Lua, Clã de Filhas de Brigit, Clã das Matriarcas e do Clã das Lobas. Formação em Medicina Andina – Sanação do ventre e do bioritmo lunar-menstrual, por Pilar Echeverry Trinidad Aguilar, e estudiosa da medicina Mapuche (Lafkenche – Abuela Maria Ester Epulef). Possui diversas certificações complementares em diversas áreas terapêuticas, psicoterapêuticas e pedagógicas: Florais, Fitoflorais, Oligoterapia, Cromoterapia, Medicina Ortomolecular, Aromaterapia, Fitoterapia, Iridologia, Auriculoterapia, Astroterapia, Radiestesia e Radiônica, Gemoterapia, Geoterapia, Arteterapia, Auriculoterapia, Danças, Xamanismo, Massoterapia Energética, Massoterapia Fisioterápica, Drenagem Linfática, RPG, Trofoterapia, Sustentabilidade e Alfabetização. Mestre em Usui, Tibetano, Kahuna, Goddesses Reiki e Celtic Reiki. Na área de atendimento atua com terapias complementares e holísticas na área da mulher e terapia associada a psicopedagogia na área infantil.

www.pdf24.org    Send article as PDF