Olá amadas, como passaram?!

Primeiramente gostaria de me justificar pela ausência e dizer que estava com saudades. Muitas vezes a vida de mulher, mãe, esposa, profissional e aprendiz da vida e dos segredos da natureza (física e espiritual) nos obriga a dar um tempo. Um tempo para se renovar, se reconstruir, para limpar a bagunça e colocar as coisas no seu devido lugar.

Nesse período, a vivência com as ervas e flores foi essencial para superar alguns processos emocionais e espirituais. Caminhei pelo campo para colher ervas, aprendi com curandeiras as suas propriedades, ganhamos um novo jardim, fiz banhos, chás, vaporizações e agora tenho me encantado com o mundo das PANCs (Plantas Alimentícias não Convencionais). Foram tantos aprendizados que eu não via a hora de nos encontrarmos novamente para compartilhar tanto amor!

 

III Festival Sul Americano de Sagrados Saberes Femininos 
Folder do Evento!

No dia 09 de novembro parti para Curitiba, reencontrar uma grande amiga e participar como voluntária do III Festival Sul Americano de Sagrados Saberes Femininos. Foi um prazer enorme matar a saudade da amiga, pois, além de nossa história pessoal, foi ela quem me inspirou a conhecer o mundo das ervas e criar delicias na cozinha (tema para outro post).

Se colocar a serviço do outro por meio do voluntariado é sempre gratificante, as trocas feitas com os colegas e os participantes me encheram de amor e me mostraram a importância da humildade. Humildade está que precisamos ter diante das plantas!

 

Aqui fica um conselho: toda vez que precisar tirar algum galho de suas plantinhas, peça licença a ela e explique qual a finalidade de sua cura. Use a intuição e tire apenas o que for necessário. Você vai notar que ela ficará radiante e se desenvolverá de uma maneira bem mais saudável! Atenção: evite tirar da natureza plantas com sementes, pois ela são como mulheres grávidas.

Nádia compartilhando seus saberes!

Neste encontro tive a felicidade de ser benzida por Pedra Rosa com as mais diversas ervas (arruda, guiné, manjericão e etc), ouvir a querida Nádia Akauã Tupinambá falar de preparos aprendidos com sua mãe e das dificuldades que seu povo enfrenta nesse país, colhi ervas e flores para Zankara Pozzoni fazer uma linda vassoura e um chá  em seu caldeirão, guiada por Maory Atumchury fiz uma linda vaporização do útero com tanchagem no intuito de curar minha ancestralidade, e por fim, voltei para casa com um jardim vivo inspirador e cheio da energia da artista Débora Rosa.

Ainda que eu tente contar detalhadamente o que vivi, não será possível descrever toda a magia que é restabelecer esse contato com as plantas. Meu objetivo nesse texto é lhes inspirar a ter uma nova atitude em relação a natureza: olhe para os presentes que ela lhe dá todos os dias, encontre-a em meio ao caos da cidade, peça para suas matriarcas (mães, avós, sogras…) compartilharem seus saberes, converse com as plantas e confie nelas.

No caminho de volta para casa, ao observar as plantas em volta do Rio Tietê, me entristeci ao recordar que temos feito atrocidades com nosso meio ambiente. M esmo já tendo trabalhado na Associação Mata Ciliar e aprendido algumas coisas sobre o assunto, só senti uma real conexão com a natureza depois de caminhar no campo e conhecer os presentes que a Mãe Terra nos dá. E assim compreendi que nós mulheres temos a grande responsabilidade de resgatar nossa essência e restabelecer este contato, está em nossas mãos – e úteros – um futuro diferente.

NamasThea!

(O feminino que habita em mim, saúda o feminino que habita em você!)

Até breve!

Texto: Cíntia Carvalho

Foto de Destaque: Temazcal para crianças com Zankara Pozzoni, click de @guberg_photo

 

www.pdf24.org    Send article as PDF   

One Reply to “Menina do Dedo Verde: Novo Olhar Sobre as Plantas”

Comments are closed.