– ” O silêncio é uma virtude!”

Como?

– Quando você fica em Silêncio deixa que uma parte do seu Chi (energia vital) se organize internamente, se comunique com você mesmo e assim, aprende a desenvolver a arte de falar sem perder energia.

Ahh mas é difícil!

– Não saber é muito incômodo para o ego, porque ele gosta de saber tudo, ter sempre razão e dar a sua opinião muito pessoal. Mas, na realidade, o ego nada sabe, simplesmente faz acreditar que sabe. Então ele é tagarela para mostrar o que sabe, quando sabe e como sabe só para ser reconhecido e amado!

– É por isso que um momento de Silêncio interno precede sempre um momento de decisão. O Silêncio desenvolve a confiança em si mesma e a Sabedoria. À medida que vamos adquirindo mais experiência de vida, vamos realmente compreendendo a importância que tem o silêncio e o quão fundamental é saber usá-lo nas alturas certas.

– Quando silenciamos podemos ouvir melhor.
– Quando silenciamos podemos sentir melhor.
– Quando silenciamos nos permitimos banhar por todos os sons e por todas as formas.

– Você tem o poder do Silêncio na sua vida?

_____________________________________________________

Roma possuía uma Deusa do Silêncio, que era venerada sob os nomes de Lara, Muta e Tácita.

Conta a lenda que esta era uma ninfa do Almo (ribeira que desagua no rio Tibre em Itália) e muito famosa tanto pela sua beleza quanto pela loquacidade.

Incapaz de guardar segredos, um dia viu-se em apuros por desafiar as ordens do grande Deus Júpiter, que lhe tinha pedido a ela e ás outras ninfas da ribeira ajuda e descrição para raptar a ninfa Juturna por quem estava apaixonado. Lara foi contar tudo a Juno, esposa do deus e este, irritado arrancou-lhe a língua e ordenou a Mercúrio, o mensageiro, que a levasse até Averno, a entrada do mundo infernal e reino de Plutão!

Mercúrio fascinado com a sua beleza, apaixonou-se e pelo caminho fez amor com ela. Nasceram duas crianças, conhecidas como Lares, deuses invisíveis e guardiões dos lares.

Era venerada pelos Romanos como a Deusa do silêncio, da maledicência e ao mesmo tempo uma das divindades do silêncio eterno (a morte).Também era considerada como a Guardiã dos segredos e juramentos e protegia os viajantes.

texto Tamaris Fontanella