O conto do patinho feio que é contado no livro Mulheres que correm com os Lobos é possível ser observado sob diversas perspectivas, uma delas além do próprio herói (o Patinho) é olhar aos aspectos da a mãe e da avó e como estes dois personagens possuem uma forte influência na vida dele.

Em um trecho do conto nos dá uma sugestão de que a avó se não vivenciou na pele, já viu outros “ovos de peru” em ninhos, o que significa que esta estória de abandono já poderia ter acontecido: ” Não se pode levar um peru para dentro d’água, você sabia? — Ela sabia, porque já havia tentado.” 

A mãe pato não  sabe muito bem como lidar com o conflito de que o seu filhote está sendo agredido por aqueles que lhe são próximos, a partir desse pensamento de como a avó pato de alguma forma já tentou acolher o diferente, mas não soube como, a mãe por sua vez não aprendeu a lidar com esse fato também.

Embora esta estória tenha final feliz, sabemos que na realidade nem sempre é assim, uma psiquê com nossa mãe internalizada que não sabe acolher nossas sombras e diferenças nos faz ter dificuldades em conhecer e aceitarmos melhor quem verdadeiramente somos e assumirmos para o mundo de forma totalmente íntegra sem medo de sermos julgados.

Assim como o Patinho, nossa psiquê faz uma Jornada rumo conhecer quem ele é de verdade, buscando em outros personagens abrigos seguros, que de nada lhe servem, ao passo em que ele de tanto buscar se encontra entre a vida e a morte, a Primavera então surge, podendo ser compreendida como o tomar fôlego, o surgimento da Esperança.

O Patinho até então estava buscando a si no olhar do outro, que só havia julgamento e desprezo, ao instante que ele olha pra si mesmo, no reflexo do espelho ele não reconhece esses julgamentos direcionados para si, pois foi entendida a vastidão de seu Universo.

“Quando um indivíduo excluído  ou esquecido encontra o caminho para o seu coração coração ele encontra o caminho para a sua nova família e assim cura, liberta, todos aqueles que o prenderam a uma família que causou dor” – Tamaris Fontanella

#despertarfeminino #circulodemulheres #divadarosarubra #alcathea #autoconhecimento #mulheresquecorremcomoslobos

Andressa Ferreira Thome

www.pdf24.org    Send article as PDF